Renovação Carismática não é Pentecostal

A RCC – Renovação Carismática Católica é Neo-Pentecostal

“RCC” = Renovação Carismática Católica.

O papa só começou a aceitar a RCC porque estava perdendo muito crédito com o povo católico tradicional. Medo de ficar sem a maior parte dos católicos. Esta é a explicação para que o papa não rejeitasse o movimento de Renovação Carismática Católica. Ele não “pagou para ver”. Por “desespero” acatou a Renovação Católica Carismática com suas novas doutrinas de igrejas NEO-PENTECOSTAIS.

Leia o DOCUMENTO 53, da CNBB sobre a Renovação Carismática Católica:

=======================

Vamos fazer uma consulta no WIKIPEDIA:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Renova%C3%A7%C3%A3o_Carism%C3%A1tica_Cat%C3%B3lica

Renovação Carismática Católica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Renovação Carismática Católica (RCC) é um movimento católico que surgiu nos Estados Unidos em meados da década de 1960. Ele é voltado para a experiência pessoal com Deus, particularmente através do Espírito Santo e dos seus dons. Esse movimento busca dar uma nova abordagem às formas de doutrinação e renovar práticas tradicionais dos ritos e da mística católicos.

Origem

A renovação carismática, inicialmente conhecida como movimento católico pentecostal, ou católicos pentecostais, surgiu em 1966, quando Steve Clark, da Universidade de Duquesne em Pittsburgh, Pensilvânia, Estados Unidos, durante o Congressso Nacional de “Cursilhos de Cristandade”, mencionou o livro “A Cruz e o Punhal”, do pastor John Sherril, sobre o trabalho do pastor David Wilkerson com os drogados de Nova York, falando que era um livro que o inquietava e que todos deveriam lê-lo.

Em 1966, católicos da Universidade de Duquesne reuniam-se para oração e conversas sobre a fé. Eram católicos dedicados a atividades apostólicas, mas, ainda assim, insatisfeitos com a sua experiência religiosa. Em razão disso, decidiram começar a orar para que o Espírito Santo se manifestasse neles. Querendo vivenciar a experiência com o Espírito, foram ao encontro de William Lewis, sacerdote da Igreja Episcopal Anglicana, que por sua vez os levou até Betty de Shomaker, que fazia em sua casa uma reunião de oração pentecostal.

Em 13 de janeiro de 1967, Ralph Keiner, sua esposa Pat, Patrick Bourgeois e Willian Storey vão à casa de Flo Dodge, paroquiana Anglicana de William Lewis, para assistir a reunião. Em 20 de janeiro assistem mais uma reunião e suplicam que se ore para que eles recebam o “Batismo no Espírito Santo”. Ralph recebe o suposto dom de línguas (fenômeno chamado no meio acadêmico de glossolalia). Na semana seguinte, a fevereiro de 1967, Ralph impõe as mãos para que os quatro recebam o denominado batismo no Espírito.

Em janeiro de 1967, Bert Ghezzi comunica a universitários de Notre Dame, South Bend, Indiana o que teria ocorrido em Pittsburgh. Em fevereiro, antes do retiro de Duquesne, Ralph Keifer vai a Notre Dame e conta suas experiências. Em quatro de março, um grupo de estudantes se reúne na casa de Kevin e Doroth Ranaghan. Um professor de Pittsburgh partilha a experiência de Duquesne, e em 5 de março de 1967 o grupo pede a imposição de mãos para receber o Espírito Santo.

Após a Semana Santa, realizou-se um retiro em Notre Dame para discernir o que seu deus supostamente estaria querendo com essas manifestações. Participam professores, alunos e sacerdotes. 40 pessoas de Notre Dame e 40 da Universidade de Michigan, entre os quais Steve Clark e Ralph Martin, que em 1976 iriam para a Universidade de Michigan, em Ann Arbor.

RCC no Brasil

No Brasil a Renovação Carismática teve origem na cidade de Campinas, SP, através dos padres Haroldo Joseph Rahm e Eduardo Dougherty(2).

Os rumos que a Renovação Carismática tomará a partir de Campinas serão diversos, expandindo-se rapidamente pela maioria dos Estados brasileiros. Entre algumas informações disponíveis encontramos as de Dom Cipriano Chagas que registra:

– Em 1970 e 71 iniciou-se a Renovação em Telêmaco Borba, no Paraná, com Pe. Daniel Kiakarski, que a conhecera nos Estados Unidos também em 1969.

– Em 1972 e 1973 Pe. Eduardo, de novo no Brasil, deu vários retiros e iniciou grupos de oração. Assim foi, por exemplo, em Belo Horizonte, em 1972, com um grupo pequeno de 8 ou 9 pessoas.

– Em janeiro de 1973 o Pe. George Kosicki, CSB, que havia muito participava ativamente da Renovação nos Estados Unidos, veio a Goiânia para um retiro carismático de uma semana. A ele compareceram D. Matias Schmidt, atual bispo de Rui Barbosa, na Bahia, e vários padres e religiosas, que iriam iniciar grupos de oração em Anápolis, Brasília, Santarém, Jataí, etc.

– Em 1973, perto de Miranda, no Mato Grosso, um pequeno grupo começou a ler o livro Sereis Batizados no Espírito e a rezar pedindo o dom do Espírito. Um mês mais tarde veio a eles o Pe. Clemente Krug, redentorista, que conhecera a Renovação em Convent Station, New Jersey; orando com eles, receberam o denominado “batismo no Espírito” e o suposto dom de línguas.

– Em geral, pois, pode-se dizer que os grupos de oração surgidos em inúmeras cidades do Brasil tiveram sua origem seja nas “Experiências de Oração no Espírito Santo” do Pe. Haroldo Rahm, SJ, seja nos retiros dados pelos padres Eduardo Dougherty, SJ e George Kosicki, CSB.

– Em vista da extensão que tomava a Renovação no Brasil, o Pe. Eduardo Dougherty, sentindo a necessidade de uma melhor organização, preparou com o Pe. Haroldo Rahm e Irmã Juliette Schuckenbrock, CSC, um encontro de fim de semana em Campinas, que foi o I Congresso Nacional da Renovação Carismática no Brasil em meados de 1973, ao qual compareceram cerca de 50 líderes.

– Em janeiro de 1974 foi realizado o II Congresso Nacional da Renovação Carismática, comparecendo lideres de Mato Grosso, Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro, Santos, São Paulo, etc(3).

Em outras regiões a Renovação Carismática começa a crescer, a partir de 1974: no Norte a diocese de Santarém com Frei Paulo, em Anápolis, no Centro Oeste, com Frei João Batista Vogel, no Sul de Minas, com Mons. Mauro Tommasini na Aquidiocese de Pouso Alegre. Também colaboram como divulgadores: Pe. Schuster, Dr. Jonas e Sra. Imaculada Petinnatti, Peter e Ingrid Orglmeister, D. Cipriano Chagas, Pe. Alírio Pedrini, Frei Antônio, Ir. Tarsila, Maria Lamego, Ir. Stelita(4).

No início, a Renovação atingiu os líderes já engajados em movimentos como Cursilho, Encontros de Juventude, TLC, etc, e foi se ampliando gradativamente como uma nova “onda” de doutrinação com identidade própria(5).

Em 1972, Pe. Haroldo escreve o livro Sereis batizados no Espírito(6), onde explica o que vem a ser o “Pentecostalismo Católico”. Sendo uma das primeiras obras publicadas no país sobre o movimento, trazia orientações para a realização dos retiros de “Experiência de Oração no Espírito Santo”, que muito colaboraram para o surgimento de vários grupos de oraçã

A RCC e a CNBB

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) possui um Documento, chamado Documento 53, com recomendações disciplinando certas práticas místicas no contexto da RCC. Recomenda-se, por exemplo, que se evite a prática do “Repouso no Espírito” (na qual as pessoas parecem desmaiar durante os momentos de oração, mas permanecem conscientes do que ocorre em sua volta). E preocupações exageradas com o demônio:

63 – Orar e falar em línguas: O destinatário da oração em línguas é o próprio Deus, por ser uma atitude da pessoa absorvida em conversa particular com Deus. E o destinatário do falar em línguas é a comunidade. Como é difícil discernir, na prática, entre inspiração do Espírito Santo e os apelos do animador do grupo reunido, não se incentive a chamada oração em línguas e nunca se fale em línguas sem que haja interprete.

65. Em Assembléias, grupos de oração, retiros e outras reuniões evite-se a prática do assim chamado “repouso no Espírito”. Essa prática exige maior aprofundamento, estudo e discernimento. (…)

68. Procure-se, ainda, formar adequadamente as lideranças e os membros da RCC para superar uma preocupação exagerada com o demônio, que cria ou reforça uma mentalidade feitichista, infelizmente presente em muitos ambientes.

Críticas

Um dos maiores críticos da RCC é o padre Quevedo. Ele afirma que vivem em um ambiente feitichista, místico e alienante. Por outro lado, há também muitos religiosos católicos que dão forte apoio a esse movimento, vendo ele como uma fonte de renovação de seu Deus para a Igreja.

Outro grande crítico é o Prof. Orlando Fedeli. Recentemente, ele se envolveu em grande polêmica com os Padres Fábio de Melo e Joãozinho, da Canção Nova do Padre Jonas Abib. A polêmica, que começou em torno da questão sobre a presença real de Cristo na Eucaristia, pode ser consultada no site da Montfort – Associação Cultural.

Existem questões políticas também envolvidas no crescimento da RCC pois, até o final dos anos 80, boa parte da Igreja Católica, principalmente nos países em desenvolvimento como os da América Latina, era orientada pela Teologia da Libertação, que cresceu com a luta contra a ditadura militar, com as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e os diversos movimentos sociais.

O discurso da Teologia da Libertação tinha algumas de suas raízes no Marxismo e Comunismo e falava de luta de classes e participação dos cristãos católicos na política, com a intenção de se “construir o reino dos céus na Terra.” Alguns membros da Igreja chegaram mesmo a participar da fundação de partidos políticos como o Partido dos Trabalhadores, no Brasil.

Influência dos pentecostais

Especialmente no seu início, a RCC foi influenciada pelo movimento evangélico pentecostal. Seguem-se alguns dos maiores exemplos desse envolvimento.

O livro “A Cruz e o Punhal”, influente na formação do movimento, foi escrito pelo Pastor David Wilkerson, que também pregou em um dos primeiros Congressos da RCC nos Estados Unidos;

Padre Tomas Forrest, liderança internacional da RCC no início do Movimento, teve sua experiência do ‘Batismo’ no Espírito Santo num retiro da Renovação Carismática Católica dos EUA pregado por dois padres, uma freira e dois evangélicos Metodistas. (3)

Parte considerável das músicas do livro “Louvemos ao Senhor” e outras populares no movimento, têm origem no protestantismo, tais como “Buscai primeiro o Reino de Deus” e “Glorificarei teu nome, oh Deus”, “Pelo Senhor marchamos sim…”, “A alegria está no coração…”, “Posso pisar uma tropa…”, “Eu navegarei…”, “Espírito (…) vem controlar todo o meu ser…”, “Espírito, enche a minha vida, enche-me com teu poder…”, “Assim como a corsa…”, “Deus enviou seu filho amado…”, “Se as águas do mar da vida…”, “Eu sou feliz por que meu Cristo quer…”. Temos ainda exemplos mais recentes, como “Levanta-te, levanta-te Senhor… fujam diante de ti teus inimigos”, “Venho Senhor minha vida oferecer”, “Meu pensamento vive em você…”, “Se acontecer um barulho perto de você…”, “Celebrai a Cristo, celebrai…”.(3)

De fato, algumas vertentes evangélicas petencostais reclamam da RCC por esta copiar seus ritos e músicas. Por outro lado a RCC também tem suas próprias músicas. Para muitos carismáticos e pentecostais isso é visto de forma positiva, pois seria o início de um verdadeiro ecumenismo entre os cristãos através da partilha da música cristã. O diálogo ecumênico e uma maior aproximação com fiéis de outras denominações cristãs é uma das metas do Vaticano e da CNBB e uma recomendação da Igreja aos fiéis católicos.

==========================

Por que os Católicos Romanos migram para os movimentos carismáticos e Neo-Pentecostais?

Porque buscam conhecimento na Palavra de Deus, não suportando mais os ensinos herético das “catequeses” tradicionais católicas romanas.
O fator mais importante que ofusca a racionalidade dos que migram do Catolicismo Romano para a Renovação Católica Carismática está, dentre outras coisas, principalmente, na continuidade na idolatria.
Eis uma matéria com o EX-PADRE JOSÉ BARBOSA DE SENA NETO:

http://www.cacp.org.br/entrevistaexpadre.htm

EX-PADRE, UM NOVO SACERDÓCIO

JOSÉ BARBOSA DE SENA NETO

http://www.cacp.org.br/entrevistas/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=1171&menu=17&submenu=1

Autor : Matéria extraída de uma ou mais obras literárias. Publicado em : Quinta, 04/10/2007

Por Jamierson Oliveira

Depois de doze anos de estudo no Seminário da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, José Barbosa de Sena Neto foi ordenado padre em 1971. Por mais de 22 anos, exerceu o sacerdócio católico no Estado de São Paulo nas cidades de Bauru, Santo André e São Caetano do Sul, além do Sertão Central do Estado do Ceará. Hoje, com 56 anos, é convertido ao evangelho, pastor batista, com bacharelado em teologia, licenciado em filosofia e pedagogia e mestrado em Teologia Pastoral.

Como conferencista e apologista, exerce seu ministério de forma itinerante e, por meio de seu livro, Confissões surpreendentes de um ex-padre (ver pg. 47), relata seu testemunho.

Casado e pai de dois filhos, reside em Fortaleza (CE), de onde concedeu,

por e-mail, a seguinte entrevista à Defesa da Fé.

Defesa da Fé – Enquanto padre convicto o senhor teve contato com algum outro padre já convertido?

José Barbosa – Fui um terrível perseguidor do povo de Deus. O ex-padre que já dorme no Senhor Aníbal Pereira dos Reis, se fosse vivo, poderia testemunhar o quanto foi perseguido por mim. Não se esqueça que exerci o sacerdócio no interior, na região do Sertão nordestino, terra do “Padim Padi Ciço”, conhecida em todo o Brasil pelo seu fanatismo idólatra.

Defesa da Fé – Quais são as implicações acarretadas ao padre que abandona a batina, ou seja, que rompe com o catolicismo?

Barbosa – O padre que descobre a verdade, tendo consciência de que precisa abandonar suas práticas pagãs e idólatras até então exercidas e defendidas, assusta-se com as dificuldades da mudança de vida e, fora das asas da sua igreja, teme ser desprezado pelos companheiros, teme os obstáculos sociais impostos pela sociedade, teme não conseguir nova inclusão social e ser considerado como renegado por ter deixado de cumprir com os juramentos feitos. Alguns, sem coragem suficiente, caem no indiferentismo, passando a exercer o seu ministério sacerdotal hipocritamente, sabendo que estão ensinando doutrinas nas quais não mais acreditam, celebrando “missas” sem valor algum. Mas os corajosos e verdadeiramente convertidos, lavados e remidos pelo sangue do Senhor Jesus, derramado na cruz do Calvário, renunciam a todo conforto material e a todas as vantagens outrora usufruídas e passam a viver na total dependência do Senhor, colocando-se, desse modo, no centro da vontade de Deus, a qual nunca falha!

Defesa da Fé – O senhor chegou a experimentar esse indiferentismo por muito tempo? Testemunhou esse tipo de confissão entre seus companheiros de sacerdócio?

Barbosa – Evidentemente! Tive medo, muito medo de sair da Igreja Romana pelo pavor de vir a passar fome e receber o desprezo dos colegas. E, em razão disso, fui tomado por um indiferentismo quase doentio, não me importando mais com as coisas sérias da vida. Por outro lado, constatei que alguns de meus ex-colegas, ao tomarem um pouco do conhecimento da verdade do evangelho, também estavam mergulhados nesse indiferentismo, vivendo numa depressão incrível, mas, em razão da idade, já um tanto avançada de alguns, não encontravam forças suficientes para se libertarem do manto do romanismo.

Defesa da Fé – Como se comportam os teólogos da Igreja Romana, uma vez que tudo é controlado?

Barbosa – Os teólogos católicos têm o direito de estudar, questionar e até mesmo apresentar assertivas e opiniões diferentes do que está estabelecido como doutrina oficial. Mas cada interpretação ou comentário particular para ser reconhecido precisa estar emaranhado das idéias dos concílios e encíclicas pastorais da igreja de Roma. Apresentar as obras desses homens sem um entrelaçamento nas bases do romanismo é muito complexo. Tenho a mais absoluta certeza de que esta revista, há muito tempo, vem sendo analisada por um determinado órgão da cnbb.

Defesa da Fé – Como enxerga o aparente desejo de algumas vertentes católicas em se unir com os evangélicos?

Barbosa – O documento Dominus Iesus, elaborado e assinado pelo “todo-poderoso” Cardeal Joseph Ratizinger, prefeito da Congregazione per la Dottrina della Fede [Congregação para a Doutrina da Fé — ex-Santo Ofício] expressa abertamente: “sobre a unicidade e a universalidade salvífica de Jesus Cristo e da Igreja”. Esta declaração recebeu a ratificação do Papa João Paulo II em 16/06/2000 e foi oficializada pela tal Congregação em 06/07/2000, deixando explícita a dissimulação do ecumenismo. O documento reza: “Existe, portanto, uma única Igreja de Cristo, que subsiste na Igreja Católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos bispos em comunhão com ele”. Diante dessas declarações do cardeal Ratizinger, o verdadeiro executivo das decisões romanas hoje, em que conclusão podemos chegar?

Defesa da Fé – Hoje, não há como negar o crescimento do Movimento de Renovação Carismática dentro da Igreja Católica. Como o senhor avalia esse movimento?

Barbosa – A cnbb nunca aprovou tal movimento, apenas o tolera, com olhos de profunda suspeita. Daí a existência do Documento 53 da cnbb, sobre Orientações Pastorais a respeito da Renovação Carismática Católica, elaborado por ocasião da 34ª Reunião Ordinária do Conselho Permanente, ocorrido entre 22 e 25 de novembro de 1994, em Brasília, df, disciplinando o referido movimento. Liderado por padres jesuítas, não se enganem os descuidados, o mrcc é tão-somente uma tentativa de barrar o crescimento das igrejas evangélicas, principalmente o crescimento fenomenal das igrejas pentecostais e o assombroso crescimento das igrejas neopentecostais, que tem assustado de forma mortal o catolicismo romano em solo pátrio.

Defesa da Fé – Outro fenômeno é o padre Marcelo Rossi. Na sua opinião, o que ele representa para o catolicismo, hoje?

Barbosa – A cnbb não apóia o referido sacerdote; apenas o tolera e o usa para tentar segurar a revoada de católicos de seus arraiais. Ele não é carismático na expressão do termo, pois nunca ninguém, até hoje, o ouviu pregando uma mensagem tipicamente carismática, mas ele tem servido aos interesses dos bispos católicos para tentar trazer de volta os “católicos rebeldes”, hoje evangélicos, aos braços papais, usando a força da mídia, cantando hinos “evangélicos” em suas “megamissas-show”, deixando transparecer aos menos avisados que hoje não precisamos deixar a “mãe-igreja”, “porque o que os irmãos evangélicos têm, nós temos também…”. Tudo não passa de uma estratégia da Igreja Romana para tentar manter sua hegemonia maléfica.

Defesa da Fé – Qual é a sua avaliação sobre a possibilidade de um brasileiro assumir o papado? Poderíamos prever a extensão de sua influência em nossa nação?

Barbosa – Houve-se falar, por detrás dos bastidores, de alguma re-mota possibilidade de d. Cláudio Hummes, atual bispo arquidiocesano e cardeal de São Paulo, vir a ser eleito futuro papa. Mas remota possibilidade, repito. O que se verifica, atualmente, é uma movimentação articulada para a escolha política de um cardeal italiano para substituir João Paulo II. Não resta a menor sombra de dúvidas de que, caso eleito, o cardeal brasileiro Cláudio Hummes teria alguma influência em nossa nação, mas não tão acentuada agora como se ocorresse em épocas áureas da Igreja Romana em nossa pátria, a qual, sem lentes de aumento, qualquer cidadão observador poderá verificar que ela caminha a passos largos para uma cada vez mais acentuada decadência e descrédito, por culpa do mau comportamento de seu próprio clero. O povo brasileiro não mais perdoa tantos descalabros vergonhosos ocorridos, recentemente, no seio da Igreja de Roma.

Fonte: revista “Defesa da Fé”

Este artigo é um trabalho compilado.

————————————-

nivaldosalvo@yahoo.com.br

3 responses to this post.

  1. Posted by Rosa Correia on 13/04/2010 at 23:15

    Qual a diferença do casamento na igreja tradicional para o casamento na renoção carismatica … na igreja tradicional o casamento é valido e na renovação carismática?

    Responder

    • Posted by clubedavida on 14/04/2010 at 18:07

      Rosa, Eu não tenho muita informação sobre a renovação carismática. Na Igreja evangélica o casamento é válido depois da oficialização em cartório, o que pode acontecer na mesma cerimônia.Obrigado por participar.

      Responder

  2. Olá, Irmão (ã)… Pastor (a) ou líder da igreja local.
    A Paz do Senhor.

    Sou casado, formado em C.Contábeis; Pós – graduado em MBA – Gestão Empresarial e membro da igreja evangélica local e salvo em Cristo mediante a fé, desde 2003.

    Estou entrando em contato para pedir sua ajuda.
    Desenvolvemos um sistema de consultas de telefones (call center) para interessados que desejam iniciar uma atividade rentável e legal na cidade.
    Neste momento estamos selecionando os futuros empresários com perfil empreendedor para iniciar esta atividade.

    O propósito dessa oportunidade de negócio é poder ajudar os Irmãos oferecendo um negócio próprio regional; formando com as outras regiões uma rede entre cristãos fortalecendo um ao outro e seguindo a Palavra de Deus:
    ” II Coríntios 6: 14 a 16 – Não se juntem com os descrentes para trabalharem com eles. Como é que o certo e o errado podem ser companheiros? Como podem viver juntas a luz e a escuridão? Como podem Cristo e o diabo estar de acordo? O que é que um cristão e um descrente têm em comum? Que relação pode haver entre o Templo de Deus e os ídolos pagãos? Pois nós somos o templo do Deus vivo.”

    Cremos que trabalhar com irmãos em cristo é o melhor negócio, pois é o que está escrito – como o certo pode estar de acordo com o errado? NTLH.

    Peço a gentileza de falar, nos recados dos cultos da seguinte forma:

    “Membros da igreja que estão interessados em investir em uma atividade empresarial (acima de 18 anos), acesse a Home Page http://www.oportunidadeempreendedora.com.br e preencha o PRÉ-CADASTRO GRATUITAMENTE – Esta é uma oportunidade direcionada inicialmente para irmãos em Cristo. Por isso, não perca tempo. Acesse: http://www.oportunidadeempreendedora.com.br“.

    att
    Ângelo
    14 – 3221-3751

    Obs.: Desejamos que todos os gerenciadores regionais seja um Irmão Cristão, por essa razão, ajude-nos a concretizar essa visão.
    Obs.: Peço que sempre possa interceder por nós..

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: